Centro-Sul

RAÍZES

O espetáculo Raízes, montagem circense produzida pelos educandos do Curso Técnico em Artes Circenses do Marista Escola Social Ir. Acácio, propõe uma reflexão sobre a importância de falar sobre os prejuízos sofridos pelo meio ambiente em decorrência de ações predatórias de seres humanos, envolvendo a escassez dos recursos naturais do planeta. A montagem teve como cenário natural, a árvore Flamboyant, preservada no pátio da Escola.

O roteiro de cenas do espetáculo foi criado com base nos conflitos existentes entre dois grupos bem presentes nessa história. O primeiro grupo, formado por “madeireiras clandestinas”, representa a ambição e ganância dos homens. Já o segundo grupo, formado por povos indígenas, animais e seres místicos da floresta, representa os novos caminhos possíveis de convivência, equilíbrio e harmonia entre os seres humanos e o planeta Terra.

As vivências de formação profissional e artística proporcionadas pelo projeto permitiram elevar a performance dos educandos e refletir sobre suas ações perante o meio ambiente e sociedade.

  • E depois de muitas tentativas, falhas e acertos, conseguimos produzir e apresentar um espetáculo que falasse o que queríamos: ‘Conscientização Ambienta!’ Pessoalmente, este projeto me fez ver a beleza, a importância e o quanto devemos cuidar e proteger a natureza do nosso planeta.”

    Jhenyfer Martinez (acrobata aérea e contorcionista no espetáculo), ex-educanda, formanda da 3a turma do Curso Técnico em Artes Circenses do Marista Escola Social Ir. Acácio, Província Marista Brasil Centro-Sul, Londrina (PR)

  • Espetáculo Raízes – animais, místicos e indígenas constroem juntos uma barreira de proteção com as madeireiras clandestinas. (Foto: Luiz Fernando da Silva.)

Centro-Sul

UM SER HUMANO INTEGRALMENTE SAUDÁVEL E BEM-TE-VI

Alunos do Colégio Marista de Londrina e do Conviver Marista do Marista Escola Social Ir. Acácio se uniram para cultivar mudas orgânicas e construir uma horta comunitária. Juntos, aprenderam na prática de onde vem os legumes e as verduras, quais os cuidados que precisam e como podem ser cultivados.

A atividade faz parte do projeto Um ser Humano Integralmente Saudável, do Marista Idiomas do Colégio, que tem como objetivo ensinar, em inglês, sobre bem-estar, interações sociais e cuidado com o meio ambiente. A ideia foi desenvolvida em conjunto com as crianças do Marista Escola Social Ir. Acácio, que no projeto Bem-te-vi promoveram o plantio de mudas e o conhecimento sobre os alimentos saudáveis.

As crianças produziram as próprias mudas e cuidaram delas até o momento do plantio, utilizando materiais reciclados. Toda a experiência foi realizada em inglês. Enquanto os alunos do Ir. Acácio eram responsáveis por ensinar a cultivar a terra, os alunos do Colégio Marista de Londrina traduziram termos e palavras em inglês e explicaram sobre as mudas usadas no plantio.

  • Megg Macedo de Oliveira, coordenadora de internacionalização do Colégio Marista Londrina, Província Marista Brasil Centro-Sul, Londrina (PR)

  • Cultivo de mudas orgânicas e construção de uma horta comunitária por alunos Maristas. (Foto: Nilviane Rocha Pereira.)

Centro-Sul

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E SUSTENTABILIDADE

O Marista Escola Social Ecológica buscando atuar na formação de crianças e adolescentes com foco na alimentação, por meio de uma experimentação com práticas sustentáveis conectadas com o uso das tecnologias, implantou, em 2019, o Projeto de Alimentação Saudável e Sustentabilidade, em parceria com a empresa Novozymes.

O projeto foi realizado em várias etapas, desde o estabelecimento da parceria até a realização do workshop com voluntários e especialistas no tema, aprofundamento das temáticas nas aulas de ciências e preparo e automação dos canteiros. Todas as etapas foram monitoradas pela equipe pedagógica e administrativa nas testagens. Após seis meses de acompanhamento e assessoria da empresa, a escola assumiu a condução do projeto.

Entre os resultados observou-se um maior consumo de produtos orgânicos nas refeições da escola; redução do desperdício; otimização do tempo para o cultivo; diminuição da perda da produção, já que o relatório gerado via aplicativo de monitoramento sugere as espécies a serem plantadas pela reação do solo estudada .

  • Gillys Vieira da Silva, diretora Marista da Escola Social Ecológica, Província Marista Brasil Centro-Sul, Almirante Tamandaré (PR)

  • Banner de divulgação do Projeto de Alimentação Saudável e Sustentabilidade. (Foto: Divulgação.)

Centro-Norte

ECOLOGIA INTEGRAL

O projeto Ecologia Integral tem como objetivo implantar a ecologia integral em todos os âmbitos da Organização Religiosa e do Marista Centro-Norte, em resposta aos apelos de cuidado da Casa Comum, da “Laudato Si” e do XII Capítulo Geral. Abaixo seguem as ações realizadas:

1a fase: sensibilizar/visibilizar:

  • apresentação do tema em espaços formativos;

  • alinhamento conceitual e levantamento das práticas e iniciativas que já existem na gestão estrutura, nas ações pastorais e pedagógicas;

  • celebração das boas práticas;

  • compromisso Institucional.

2ª fase: estimular atitudes:

  • atividades individuais;

  • ações coletivas nas Unidades.

3a fase: implementar as Diretrizes:

  • aprovação das Diretrizes Institucionais da Ecologia Integral;

  • implementação das Diretrizes Institucionais da Ecologia Integral do Marista Centro-Norte e Organização Religiosa.

A promoção de uma Educação Ambiental demanda conscientização para questões que envolvem a valorização do meio ambiente e o comprometimento com atitudes voltadas à sua preservação. O Marista Centro-Norte e a Organização Religiosa querem firmar o compromisso com a preservação da Casa Comum, formando sujeitos conscientes do seu lugar no mundo, do que produzem e da sua responsabilidade com o cultivo de uma Ecologia Integral.

Desse modo, pretendem realizar um levantamento e análise de ações estruturais e pedagógicas ligadas ao tripé da sustentabilidade da Ecologia Integral: social, ambiental e econômica. O levantamento contribuirá para firmar o compromisso ecológico integral da instituição, em diálogo com a razão simbólica e cordial (o coração), os valores eco-espirituais e a responsabilidade socioambiental.

  • Ir Murard

  • (Foto: Divulgação.)

Sul-Amazônia

Estudantes do Ensino Médio desenvolvem projeto para reaproveitamento do lixo orgânico residencial

Embasados em pesquisas realizadas sobre a destinação imprópria dos resíduos sólidos e uso indiscriminado de agrotóxicos, os estudantes do 2º ano do Ensino Médio do Colégio Marista Santa Maria (RS) aplicaram conceitos trabalhados em aulas de diferentes componentes curriculares para criar alternativas sustentáveis. O objetivo era encontrar soluções para dois grandes problemas socioambientais: o descarte de resíduos sólidos e o uso de agrotóxicos.

As informações serviram de base para o projeto Hidroponia, uma forma de reaproveitamento do lixo orgânico gerado em casa, que, além de atender aos objetivos pedagógicos do componente de Matemática, como o uso de cálculos volumétricos, análises gráficas e proporcionalidades, envolveu também conhecimentos de Geografia, Química e Biologia, em um trabalho multidisciplinar que resultou em um protótipo de horta orgânica vertical. O grande desafio do projeto foi elaborar um composto 100% orgânico, capaz de suprir as necessidades das plantas sem a adição de produtos químicos e que pudesse ser produzido com o lixo orgânico das residências.

O trabalho obteve reconhecimento da comunidade educativa e também da comunidade acadêmica, que conheceu o experimento por meio de Mostras de Iniciação Científica e do relato em um concurso de empreendedorismo juvenil desenvolvido pela RBS TV Santa Maria. Com o destaque obtido na Jornada Acadêmica Integrada da UFSM, os estudantes envolvidos receberam bolsa de estudos e apoio para aprofundamento da pesquisa, que segue em andamento a fim de aperfeiçoar a fórmula e o protótipo, levando para fora dos muros do Colégio as descobertas alcançadas e seus benefícios.

  • Douglas Figueiró

  • Trabalho multidisciplinar que resultou em um protótipo de horta orgânica vertical

Sul-Amazônia

Moradores do bairro Mário Quintana recebem doação de fornos produzidos no projeto Jaime Solar

Um grupo de estudantes do 1º e do 2º ano do Ensino Médio do Colégio Marista Irmão Jaime Biazus entregou fornos movidos a energia solar para 25 famílias do Bairro Mario Quintana, uma das regiões com menor índice de desenvolvimento humano de Porto Alegre (RS). A iniciativa faz parte do Projeto Jaime Solar, que propõe uma pesquisa multidisciplinar para pensar novos usos da energia sustentável ao mesmo tempo em que gera impacto social na comunidade na qual a escola está inserida.

O projeto envolveu os componentes curriculares de Física, História e Filosofia. Os estudantes construíram protótipos dos fornos e entrevistaram moradores da comunidade, cadastrando as famílias que não possuíam recursos para preparar alimentos em casa. Além do aparelho, os estudantes entregaram um livro de receitas já testadas, com o tempo de cozimento, modo de preparo e dicas de como utilizar o forno.

As turmas contaram com o apoio dos educandos do Curso de Marcenaria do Centro de Educação Profissional São João Calábria, também de Porto Alegre, que realizaram os cortes das madeiras e a montagem dos aparelhos. Em 2019, o Projeto Jaime Solar foi apresentado em alguns dos principais eventos que fomentam a iniciação científica no Rio Grande do Sul, como o Espaço Jovem Cientista da PUCRS e o XII Salão UFRGS Jovem, tendo sido premiado como Destaque neste último.

  • Pedrinho Roman e Márcio de Oliveira

  • Fornos movidos a energia solar produzidos por alunos Maristas e doados à famílias do Bairro Mario Quintana, em Porto Alegre (RS).

Sul-Amazônia

Análises do Instituto do Meio Ambiente da PUCRS geram diagnóstico do Arroio Dilúvio

Desenvolvido pelo Instituto do Meio Ambiente da PUCRS (IMA), o monitoramento permanente do Arroio Dilúvio, em Porto Alegre (RS), é realizado desde junho de 2019 de forma mensal em cinco pontos ao longo da Avenida Ipiranga, entre a Avenida Antônio de Carvalho e a foz com o Lago Guaíba.

Após a coleta das amostras, a água é analisada pelo Laboratório de Processos Ambientais (Lapa), da Escola Politécnica da PUCRS, e pelo Centro de Pesquisa de Toxicologia e Farmacologia (Intox), da Escola de Ciências da Saúde e da Vida. As análises possibilitam o diagnóstico da qualidade ambiental no ecossistema do Arroio e podem servir como base para identificar quais as redes de drenagem que apresentam maior carga de poluição orgânica e que necessitariam de intervenções prioritárias.

O monitoramento realizado pelo IMA propõe um diagnóstico a longo prazo sobre a evolução da qualidade ambiental do Arroio.

  • Nelson Ferreira

  • Coleta de amostras de água do Arroio Dilúvio.

Sul-Amazônia

PUCRS realiza intervenções de revitalização na Avenida Ipiranga

A identidade católica e Marista faz da PUCRS não só uma Universidade de excelência em ensino e pesquisa, mas também um importante agente de transformação social. Em resposta a isso, a Universidade dedica recursos e esforços a iniciativas que promovam a cidadania, o acesso à cultura e o impacto social no seu entorno. Movida por esse propósito, durante o ano de 2019, a PUCRS realizou a entrega de diversas intervenções de melhorias na Avenida Ipiranga, em Porto Alegre (RS).

Para contribuir com o fluxo viário de motoristas, ciclistas e pedestres, a Universidade construiu uma ponte em frente ao Museu de Ciências e Tecnologia. Outra iniciativa é a revitalização de uma área de 11 mil metros quadrados da avenida entre a 3ª Perimetral (Doutor Salvador França) e a Rua Professor Cristiano Fischer. Com extensão de 26,5 metros, e largura de 13,6 metros, a ponte tem três faixas de rolamento, uma de ciclovia e uma de passeio, além da sinalização viária, com sinaleiras, placas e pintura de faixas. A ação contempla, ainda, corte de grama em toda a extensão, um novo paisagismo, mobiliário urbano e intervenção artística, que promovem a segurança e a qualidade de vida na região.

  • Dulce Dias Castro

  • PUCRS realiza entrega de diversas intervenções de melhorias na Avenida Ipiranga.